O de que o mundo mais carece

 

Autor: José Reis Chaves

Pode um ateu ter uma personalidade e um caráter ilibados. Mas é o 
espiritualismo uma possante coluna de sustentáculo do que poderíamos chamar 
de o fundamento da ética e da moral. 

Um ateu é honesto por uma certa necessidade, enquanto que o 
espiritualista é honesto por princípio. Mas, para que o espiritualismo produza bons frutos, como os da honestidade, é imprescindível que ele seja 
desvencilhado de doutrinas fantasiosas e mitológicas. Não tem, destarte, mais sentido o homem do Terceiro Milênio, já bastante evoluído, ficar acreditando em certas doutrinas religiosas em que só crêem crianças, adultos cegos de crença e fanáticos, e aqueles “crentes” por conveniência, como o fazem alguns líderes religiosos, que fingem para seus fiéis aceitarem alguns 
dogmas, por ser a crença neles um meio de eles, os fiéis, serem mais 
facilmente manipulados. 

E temos para com essas crenças religiosas o conluio dos 
políticos egoístas, que, à moda dos líderes religiosos, têm a política como um meio de servir também aos seus próprios interesses. Por isso digo que existe a separação oficial do Estado e da religião, sim, mas, na realidade, ambos estão unidos como se fossem as unhas com a carne, pois a religião e a política têm um objetivo em comum, isto é, arrebanharem as massas. 

O Mestre deu o exemplo para os políticos e, principalmente, para os líderes religiosos, dizendo que não veio para ser servido, mas para servir! (Mateus 20,28).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s